Novas receitas

Fechamento do governo leva a alimentos de graça, mas apenas para funcionários do governo

Fechamento do governo leva a alimentos de graça, mas apenas para funcionários do governo



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Os chefs estão distribuindo comida de graça, mas não apenas para todos

Restaurantes e chefs em DC estão protestando contra a paralisação do governo com comidas e bebidas especiais para todos, exceto aqueles no congresso.

Devido à paralisação do governo no início desta semana, houve inúmeras demissões, de acordo com Reuters. Mas chefs como Bryan Voltaggio e José Andrés, e restaurantes, incluindo Kramerbooks e Afterwords Café estão mostrando sua simpatia com happy hours e comida de graça. Mas aqui está o problema: não é para todos.

Conforme relatado por Huffington Post, Kramerbooks & Afterwords Café anunciados no twitter : “Gov. desligamento: preços felizes por hora, até o fechamento: US $ 5 todas as cervejas, bebidas ferroviárias; vinho da casa, apenas bar. (Assembleia do Congresso paga o dobro.) ”

Os chefs Bryan Voltaggio e José Andrés estão dando um passo adiante. Conforme relatado por Pessoas, Restaurante do Voltaggio, Faixa, está oferecendo pizza de queijo grátis com um documento de identidade do governo. No Twitter, ele disse, “esqueci de mencionar ... membros do congresso não são elegíveis até que você se reúna”.

Nos três restaurantes de Andrés, Jaleo, Oyamel, e Zaytinya, embora não se saiba por quantos dias, das 15h às 17h eles estarão distribuindo sanduíches de graça apenas para os “folgados”. No caso de Andrés, ele tem um motivo pessoal para estar um pouco irritado, já que suas esperanças de se tornar um cidadão americano estão um pouco atrasadas.


Boa pergunta: Os membros do Congresso são pagos durante a paralisação?

MINNEAPOLIS (WCCO) & # 8212 Centenas de milhares de trabalhadores federais não serão pagos em um futuro próximo. Isso fez com que muitos de vocês enviassem e-mails, querendo saber: Os membros do Congresso são pagos durante uma paralisação do governo?

“Eu esperava que eles não tivessem sido pagos pela paralisação”, disse Larry Lozinski, da Richfield. “Eu esperava que isso os ajudasse a se motivar para conversar uns com os outros”.

Todos os 435 membros da Câmara e 100 senadores são pagos pela paralisação.

& # 8220Seu pagamento está escrito na lei, & # 8221 disse a professora de ciências políticas da Universidade de Minnesota, Kathryn Pearson. “Os membros do Congresso são pagos durante as paralisações, porque seu pagamento não está sujeito ao processo de apropriação anual.”

São esses doze projetos de lei de apropriação que o Congresso ainda não aprovou que financiam os salários de todos os outros trabalhadores federais, incluindo funcionários do Congresso.

Mas os salários anuais dos membros de US $ 174.000 vêm de um pool diferente. O presidente da Câmara ganha mais US $ 223.500 por ano.

“A ideia é que os membros do Congresso não determinam seu próprio salário”, disse Pearson. “A lei foi projetada para proteger o público dos excessos do Congresso, os membros votando para si mesmos aumentos salariais durante o mandato.”

Além da lei salarial do Congresso, a 27ª Emenda impede os membros de fazerem quaisquer alterações salariais nesta sessão. A 27ª Emenda impede especificamente qualquer alteração salarial até o início de um novo mandato.

Quanto aos funcionários do Congresso, aqueles que são considerados essenciais estão trabalhando agora sem remuneração. Eles receberão pagamentos atrasados ​​quando o desligamento terminar. Quanto a outros funcionários federais ou funcionários que foram dispensados, não está claro se eles receberão o pagamento atrasado. Quando o governo fechou em 1995-1996 por 28 dias no total, os trabalhadores dispensados ​​receberam salários atrasados.

WCCO-TV perguntou à delegação do Congresso de Minnesota sobre o que eles farão com seus contracheques durante a paralisação.

A senadora Amy Klobuchar (D) disse que faria uma doação para a Foundation for the National Institutes of Health.

O senador Al Franken (D) disse que faria uma doação para uma "organização de caridade que está ajudando as pessoas afetadas pela paralisação".

O deputado Tim Walz (D-1st District) disse que fará uma doação ao ECHO Food Shelf de Mankato e ao Channel One Regional Food Bank de Rochester.

O deputado John Kline (R-2º distrito) pediu que seu pagamento fosse retido.

O deputado Erik Paulsen (R- 3º distrito) disse que pediria que o pagamento fosse retido.

A deputada Betty McCollum (D-4º Distrito) não retornou ligações.

O deputado Keith Ellison (D & # 8211 5º distrito) disse que manterá o pagamento. Em uma declaração, ele escreveu: “Se devolver o pagamento ajudasse os trabalhadores licenciados, eu encontraria uma maneira de sobreviver sem pagamento, mas é claro que ganhei & # 8217t. Apenas permitir uma votação em uma resolução limpa e contínua fará isso. O foco no pagamento do Congresso é uma tentativa de desviar a atenção do problema ”.

A deputada Michele Bachmann (R & # 8211 6º Distrito) disse que pedia que o pagamento fosse retido.

O deputado Collin Peterson (D & # 8211 7º Distrito) não retornou ligações.

O deputado Rick Nolan (D & # 8211 8º Distrito) disse que doará uma parte para a caridade.


Vale-refeição (SNAP Food Stamps)

O Programa de Assistência à Nutrição Suplementar (SNAP) é um programa federal de nutrição. Conhecidos anteriormente como "vale-refeição", os benefícios do SNAP podem ajudá-lo a esticar seu orçamento de alimentação se você tiver uma renda baixa.

Saiba mais sobre os tipos de alimentos que você pode comprar com os benefícios SNAP

Se você tiver direito, poderá comprar alimentos usando os benefícios que são emitidos para você mensalmente. Você pode usar os benefícios do SNAP para comprar uma variedade de alimentos para sua casa, incluindo:

Descubra se você é elegível para SNAP

Para determinar se você tem direito aos benefícios do SNAP, você deve atender a certos requisitos. Os estados têm limites de renda para os beneficiários do SNAP. Eles também podem levar em consideração seus recursos, como dinheiro no banco, para decidir se você se qualifica para o SNAP.

Inscreva-se para obter benefícios SNAP

Use o mapa online para se inscrever no SNAP e encontrar seus escritórios locais e estaduais e números de telefone. Você também pode se inscrever pessoalmente no escritório estadual ou local.

Como funcionam os seus benefícios SNAP

Seu estado emitirá benefícios a cada mês em um cartão de transferência eletrônica de benefícios de plástico (EBT). Muito parecido com um cartão de crédito ou débito, você pode usar seu cartão EBT para comprar itens alimentares elegíveis. Você deve comprá-los de:

Alguns estados têm sites configurados para gerenciar seus benefícios. Se o seu estado não tiver um site de gerenciamento do EBT, você pode entrar em contato com o escritório do SNAP do seu estado para verificar seus benefícios.

Registre uma reclamação sobre SNAP

Independentemente de você receber benefícios SNAP ou se estiver no processo de inscrição, você pode registrar uma reclamação usando estes recursos:

Registre uma reclamação online ou por telefone sobre um revendedor SNAP. Você precisará fornecer o nome e a localização da loja. Você pode permanecer anônimo se quiser.

Entre em contato com a linha direta de fraude SNAP do seu estado ou site se você suspeitar de fraude ou abuso do programa SNAP.

Saiba como registrar uma reclamação se você acredita que sofreu discriminação no programa SNAP devido a:

Informações SNAP para varejistas

Aprenda a trabalhar com o SNAP se você for um varejista ou se operar um mercado de produtores.


Notícias recentes

Governador Lamont fornece atualização sobre esforços de resposta ao Coronavirus em Connecticut

Governador Lamont: Documento de orientação do Departamento de Saúde Pública de Connecticut sobre as políticas de máscaras modificadas do estado

Governador Lamont anuncia protocolos de máscara atualizados em Connecticut, começando em 19 de maio

O governador Lamont diz que as quatro atualizações de classificação de crédito de Connecticut reconhecem uma grande mudança no fortalecimento das práticas orçamentárias do estado

O governador Lamont anuncia que jovens de 12 a 15 anos em Connecticut podem receber a vacina COVID-19 da Pfizer

  • Estados Unidos COMPLETO
  • Connecticut COMPLETO

Recentes paralisações do governo dos EUA

Antes de 1980, ocorreram lacunas de financiamento, mas raramente levaram a encerramentos. As agências presumiram que o Congresso pretendia que continuassem trabalhando, e assim o fizeram. Mas o procurador-geral dos Estados Unidos, Benjamin R. Civiletti, emitiu duas opiniões que exigiam que os chefes das agências suspendessem as operações até que o Congresso apropriasse os fundos. Somente funções essenciais ou agências que possuíam os fundos poderiam continuar.

A paralisação mais longa durou 35 dias de 21 de dezembro de 2018 a 25 de janeiro de 2019. Uma paralisação de 16 dias começou em 1º de outubro de 2013. Duas breves paralisações ocorreram em janeiro e fevereiro de 2018.

O governo começou o ano com uma paralisação iniciada em 2018. Durou até 25 de janeiro de 2019.

A primeira paralisação do ano começou na sexta-feira, 19 de janeiro de 2018, quando o governo fechou por quase três dias. O Senado dos EUA não aprovou uma resolução contínua para estender os gastos até 16 de fevereiro de 2018. A resolução foi uma medida provisória para ganhar tempo para aprovar o orçamento para o ano fiscal de 2018.

Em 22 de janeiro, o Congresso encerrou a paralisação. Foi aprovada uma resolução contínua que expirou à meia-noite de 8 de fevereiro de 2018.

Na manhã de 9 de fevereiro, o governo fechou novamente, desta vez por apenas algumas horas, até que o presidente e o Congresso pudessem aprovar outra resolução contínua.

A terceira paralisação começou em 22 de dezembro de 2018. Durou 34 dias, até 25 de janeiro de 2019. Ela atrasou US $ 18 bilhões em gastos discricionários. Reduziu a produção econômica em US $ 11 bilhões: US $ 3 bilhões no quarto trimestre de 2018 e US $ 8 bilhões no primeiro trimestre de 2019.

A paralisação ocorreu de 1º a 17 de outubro de 2013. Cerca de 850.000 funcionários, ou 40% da força de trabalho civil federal, foram dispensados. A redução dos gastos do governo reduziu o PIB em 0,3%.

Os republicanos usaram o fechamento para tentar impedir o lançamento do Obamacare. A Câmara, controlada pelos republicanos, apresentou uma resolução contínua que carecia de fundos para administrar o Affordable Care Act de 2010. O Senado rejeitou o projeto de lei e enviou de volta um que financiava o programa. A Câmara ignorou esse projeto de lei. Ele devolveu um que atrasou a implementação do Obamacare. O Senado ignorou o projeto de lei e o governo fechou.

Ironicamente, o fechamento não impediu o lançamento do Obamacare. Grande parte de seu financiamento faz parte do orçamento obrigatório, assim como a Previdência Social e o Medicare. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos já havia enviado os fundos necessários para lançar as bolsas de seguros de saúde.

O governo Obama informou que o fechamento desacelerou o crescimento econômico em 0,2% a 0,6%. Também custou 120.000 empregos. Cerca de 850.000 funcionários federais foram dispensados ​​a cada dia.

O governo fechou duas vezes: 13 de novembro a 19 de novembro de 1995 e 15 de dezembro de 1995 a 6 de janeiro de 1996. Na primeira paralisação, 825.000 funcionários federais foram dispensados. Durante a segunda paralisação, 284.000 funcionários federais foram dispensados. Na segunda paralisação, menos trabalhadores foram dispensados ​​porque o Congresso aprovou alguns projetos de lei de apropriação. Outros trabalhadores foram chamados de volta sem remuneração porque os cargos foram reclassificados como críticos.

As duas paralisações custaram US $ 1,4 bilhão, de acordo com o Escritório de Gestão e Orçamento. Isso vale $ 2,4 bilhões hoje. Além disso, 480.000 funcionários de emergência, incluindo guardas prisionais, pessoal médico e agentes do FBI, trabalharam sem remuneração. Pelo menos 170.000 veteranos perderam seus benefícios educacionais mensais. Mais de 200.000 pedidos de passaporte foram retidos. Mais de 7 milhões de visitas ao Parque Nacional e 2 milhões de visitas a museus foram evitadas.


A paralisação do governo e nossa sociedade de permissão

A lei federal exige que os empregadores verifiquem o status de cidadania de qualquer pessoa que contratem para garantir que todos os novos funcionários tenham permissão para trabalhar nos Estados Unidos. Para facilitar o processo, o Departamento de Segurança Interna oferece o E-Verify, um serviço online gratuito que verifica as informações de formulários de emprego com a Administração da Previdência Social e de outros registros do governo. Alguns estados (e diretrizes para contratantes federais) exigem que os empregadores usem o E-Verify para verificar o status legal dos funcionários em potencial.

Mas o E-Verify foi considerado "indisponível" pelo fechamento do governo. O site declara que durante o desligamento, os empregadores devem certificar-se de que os formulários I-9 familiares ainda sejam preenchidos conforme necessário, mas as verificações e prazos do E-Verify são suspensos até que o desligamento termine. No entanto, o DHS não tem controle sobre a aplicação das leis estaduais de contratação, fazendo com que os empregadores privados fiquem preocupados com a contratação.

Alguns (especialmente os libertários) podem ficar entusiasmados com o fechamento das funções burocráticas invasivas de nosso governo federal. Mas o fechamento do governo não anula as milhares de leis e regulamentos federais já em vigor. Isso pode tornar a aplicação deles ainda mais dispersa e imprevisível do que já eram, mas eles ainda estão lá. Em uma sociedade em que o governo exige que busquemos permissão para praticar atos de comércio, a incapacidade de as empresas cumprirem de fato é uma boa demonstração dos perigos do excesso de burocracia e regulamentação.

Na semana passada, os cervejeiros artesanais se tornaram os filhos-propaganda dessa consequência. A Associated Press observou em 9 de outubro que o fechamento do Escritório de Comércio e Imposto sobre Álcool e Tabaco, parte do Departamento do Tesouro, freou o desenvolvimento de novas pequenas cervejarias. O bureau aprova cervejarias, receitas e rótulos, ou pelo menos o fazia até o fechamento:

Mike Brenner está tentando abrir uma cervejaria artesanal em Milwaukee em dezembro. Seu pedido para incluir uma sala de degustação está agora em espera, assim como seus planos de arquivar a papelada para quatro gravadoras nas próximas semanas. Ele espera perder cerca de US $ 8.000 a cada mês que sua inauguração atrasar.

"Meu sonho, que leva seis anos para ser feito, é abrir essa cervejaria", disse Brenner. "Tenho trabalhado muito e encontro todos esses grandes investidores. E agora não posso começar porque as pessoas estão brigando por isso ou aquilo em Washington. & # 8230 Isso é algo com que as pessoas não mexem. Mesmo em uma economia ruim, as pessoas bebem cerveja. "

Crédito: Eric em DUB / Foter / CC BY

No noroeste do Pacífico, a paralisação pode arruinar a temporada de pesca do caranguejo-real. Os caranguejos ainda estarão lá, é claro, mas os pescadores não podem obter permissão do governo para capturá-los. Da KIRO TV em Seattle em 5 de outubro:

O capitão Moore Dye, do navio pesqueiro Western Mariner, disse que sua tripulação estava se preparando para deixar o terminal de pescadores em Seattle. Na manhã de sábado, sua tripulação trabalhou no carregamento de dezenas de potes no barco.

"A temporada do caranguejo-real é como o Super Bowl da pesca do caranguejo. É curto, é muito dinheiro, muito rápido", disse Dye.

Mas com o possível atraso no início da temporada, surgem desafios ao se tentar cumprir prazos específicos de embarques para o Japão, maior comprador.

"Vai aumentar ainda mais o preço para pegá-lo. Porque temos que ficar sentados com os motores funcionando, os caras estão parados, então pode somar", disse ele.

O governo está tão envolvido em nossas vidas que mesmo o comércio básico - simplesmente contratar pessoas - é ameaçado por manobras políticas. O senador democrata Harry Reid atacou os republicanos como "anarquistas" por provocarem a paralisação. Nada poderia estar mais distante da anarquia do que os barcos de pesca parados, esperando que um funcionário do governo desse permissão aos marinheiros para trabalhar. E, no entanto, a resposta comum é a raiva com o fechamento do governo, não a raiva por ter que pular tantos obstáculos em primeiro lugar. Mesmo antes da paralisação, levaria meses para que o Departamento de Comércio e Imposto sobre Álcool e Tabaco aprovasse as licenças para as cervejarias artesanais.

É claro que, se os pescadores de caranguejo tentarem continuar como de costume, sem dúvida descobrirão que as partes do governo que aplicam as regulamentações ainda estão funcionando. Os funcionários federais com capacidade de punir ainda estão trabalhando.

Esse é frequentemente o caso quando os governos municipais também enfrentam cortes. Os cidadãos podem descobrir que pode levar meses para navegar na burocracia do governo e os trabalhadores apontam o dedo para cortes de pessoal. Mas falhe em saltar os obstáculos, como tentaram pequenas empresas em Detroit não funcional, e os burocratas e executores virão para fechá-lo.

O governo habilmente tornou-se impossível viver sem, porque as autoridades tornaram ilegal que quase todo comércio ocorresse sem sua extensa estrutura de permissões. A consequência final de uma intervenção governamental tão ampla em todos os aspectos da economia reforça a ideia de que não podemos fechar ou cortar o governo, porque as estruturas regulatórias e as leis ainda existem.


Como o programa do café da manhã dos Panteras Negras inspirou e ameaçou o governo

Em 1969, um grupo de crianças sentou-se para um café da manhã gratuito antes da escola. No cardápio: leite com chocolate, ovos, carnes, cereais e laranjas frescas. A cena não estaria deslocada no refeitório de uma escola hoje em dia, mas o governo federal não estava fornecendo a comida. Em vez disso, o café da manhã foi servido graças à Festa dos Panteras Negras.

Na época, o partido nacionalista negro militante foi vilipendiado na mídia e temido por aqueles intimidados por sua mensagem de Black Power e seu compromisso de acabar com a brutalidade policial e a subjugação dos negros americanos. Mas, para os alunos tomando café da manhã, os Panteras Negras e a política # x2019 eram menos interessantes do que as refeições que ofereciam.

& # x201Cas crianças, muitas das quais nunca tinham tomado café da manhã antes dos Panteras começarem seu programa, & # x201D o Sun Reporterescreveu, & # x201Considere que as Panteras são & # x2018groovy & # x2019 e & # x2018muito legais & # x2019 por fazer isso por elas. & # x201D

O programa pode ter sido excelente, mas seu objetivo era alimentar a revolução, encorajando a sobrevivência dos negros. De 1969 até o início dos anos 1970, o Programa Panteras Negras e # x2019 Café da Manhã Grátis para Crianças em Escola alimentou dezenas de milhares de crianças famintas. Foi apenas uma faceta de uma riqueza de programas sociais criados pelo partido & # x2014 e ajudou a contribuir para a existência de programas federais de café da manhã gratuito hoje.

Brad Jones, membro da Organização dos Panteras Negras da Filadélfia, ajudando a servir o café da manhã aos jovens. (Crédito: Bill Ingraham / AP Photo)

Quando os fundadores do Partido dos Panteras Negras, Huey P. Newton e Bobby Seale, fundaram o partido em 1966, seu objetivo era acabar com a brutalidade policial em Oakland. Mas uma facção do Movimento pelos Direitos Civis liderada pelo membro do SNCC Stokeley Carmichael começou a clamar pela elevação e autodeterminação dos afro-americanos, e logo o Black Power fez parte de sua plataforma.

No início, o Partido dos Panteras Negras organizou principalmente patrulhas policiais de bairro que tiraram proveito das leis de transporte aberto, mas com o tempo seu mandato se expandiu para incluir programas sociais também.

O café da manhã grátis para crianças em idade escolar foi um dos mais eficazes. Tudo começou em janeiro de 1969 em uma igreja episcopal em Oakland e, em poucas semanas, deixou de alimentar um punhado de crianças para centenas. O programa era simples: membros do partido e voluntários iam aos supermercados locais para solicitar doações, consultavam nutricionistas sobre opções saudáveis ​​de café da manhã para crianças e preparavam e serviam a comida de graça.

Os funcionários da escola imediatamente relataram os resultados em crianças que tomaram café da manhã gratuito antes da escola. & # x201CO diretor da escola desceu e nos disse como as crianças eram diferentes, & # x201D Ruth Beckford, uma paroquiana que ajudou no programa, disse mais tarde. & # x201Celes não & # x2019 não estavam adormecendo na aula, eles não & # x2019 não estavam chorando de cólicas estomacais. & # x201D

Logo, o programa foi adotado por postos avançados do partido em todo o país. Em seu auge, o Partido dos Panteras Negras alimentou milhares de crianças por dia em pelo menos 45 programas. (A comida não era a única parte dos programas sociais do BPP & # x2019s que eles expandiram para cobrir tudo, desde clínicas médicas gratuitas a serviços comunitários de ambulância e clínicas jurídicas.)

Bill Whitfield, membro do capítulo dos Panteras Negras em Kansas City, servindo café da manhã gratuito para as crianças antes de irem para a escola. (Crédito: William P. Straeter / AP Photo)

Para o partido, foi uma oportunidade de se opor à sua imagem cada vez mais negativa na consciência pública & # x2014 uma imagem de intimidar negros negros segurando armas & # x2014 ao atender a uma necessidade crítica da comunidade. & # x201CI significa, ninguém pode discutir com grãos livres, & # x201D disse o cineasta Roger Guenveur Smith em Uma história de Huey P. Newton, um filme de 2001 no qual ele retrata Newton.

Comida de graça parecia relativamente inócua, mas não para o chefe do FBI J. Edgar Hoover, que odiava o Partido dos Panteras Negras e declarou guerra contra eles em 1969. Ele chamou o programa de & # x201Cotencialmente a maior ameaça aos esforços das autoridades para neutralizar o BPP e destruir o que ele representa, & # x201D e deu carta branca às autoridades para destruí-lo.

Os resultados foram rápidos e devastadores. Agentes do FBI foram de porta em porta em cidades como Richmond, Virgínia, dizendo aos pais que os membros do BPP ensinariam racismo a seus filhos. Em San Francisco, escreve a historiadora Franziska Meister, os pais foram informados de que a comida estava infectada com doenças venéreas. Os locais em Oakland e Baltimore foram invadidos por policiais que perseguiram membros do BPP na frente de crianças aterrorizadas, e as crianças participantes foram fotografadas pela polícia de Chicago.

" # x201D

No final das contas, esses e outros esforços para destruir os Panteras Negras interromperam o programa. No final, porém, a visibilidade pública dos programas de café da manhã Panteras e # x2019 pressionou os líderes políticos a alimentar as crianças antes da escola. O resultado de milhares de crianças americanas se acostumando com o café da manhã gratuito, disse a ex-membro do partido Norma Amour Mtume & # xA0Comedor, foi o governo expandiu seus próprios programas de alimentação escolar.

Embora o USDA tenha pilotado esforços de café da manhã gratuito desde meados dos anos 1960, o programa só decolou no início dos anos 1970 & # x2014 na época em que os programas Panteras Negras & # x2019 foram desmantelados. Em 1975, o Programa de Café da Manhã Escolar foi autorizado em caráter permanente. Hoje, ajuda a & # xA0alimentar mais de 14,57 milhões de crianças antes da escola & # x2014 e, sem as ações radicais dos Panteras Negras, pode nunca ter acontecido.


Perguntas e respostas: tudo o que você deve saber sobre paralisações governamentais

O novo ano fiscal (AF) começará em 1º de outubro de 2020, e o Congresso até agora não promulgou nenhum dos 12 projetos de lei de apropriação que estabelecem níveis de gastos discricionários. Os legisladores têm até meia-noite do último dia do ano fiscal - 30 de setembro - para promulgar legislação para financiar os programas cobertos pelo processo de dotações, ou o governo fechará. Uma resolução contínua (CR) para permitir que os legisladores tenham mais tempo para concluir o trabalho nas contas de despesas provavelmente será considerada. Uma paralisação no ano fiscal de 2021 afetaria todas as atividades federais cobertas por dotações discricionárias, ao contrário da paralisação mais recente do ano fiscal de 2019, que começou no final de 2018 e se estendeu até o início de 2019, que afetou departamentos e agências cobertos pelos sete projetos de lei de apropriações que o Congresso ainda não tinha promulgada.

O que é uma paralisação do governo?

Muitas agências e programas do governo federal dependem de dotações de financiamento anuais aprovadas pelo Congresso. Todos os anos, o Congresso deve ser aprovado e o Presidente deve assinar a legislação orçamentária para o próximo ano fiscal, consistindo de 12 projetos de lei de dotações, um para cada subcomissão de dotações. O Congresso ainda não promulgou nenhum dos 12 projetos de lei para o ano fiscal de 2021 que compõem o orçamento de gastos discricionários. Em uma “paralisação”, as agências federais devem descontinuar todas as funções discricionárias não essenciais até que uma nova legislação de financiamento seja aprovada e transformada em lei. Os serviços essenciais continuam a funcionar, assim como os programas de gastos obrigatórios.

Quais serviços são afetados em um desligamento e como?

Cada agência federal desenvolve seu próprio plano de desligamento, seguindo as orientações divulgadas em desligamentos anteriores e coordenado pelo Escritório de Gestão e Orçamento (OMB). O plano identifica quais atividades do governo não podem continuar até que as dotações sejam restauradas, exigindo licenças e a suspensão de muitas atividades da agência. Os serviços essenciais - muitos dos quais relacionados com a segurança pública - continuam a funcionar, com pagamentos que cobrem quaisquer obrigações incorridas apenas quando as dotações são aprovadas. Em paralisações anteriores, proteção de fronteiras, assistência médica hospitalar, controle de tráfego aéreo, aplicação da lei e manutenção da rede elétrica estavam entre os serviços classificados como essenciais, enquanto alguns funcionários legislativos e judiciais também foram amplamente protegidos. Os gastos obrigatórios não sujeitos a dotações anuais, como para a Segurança Social, Medicare e Medicaid, também continuam. Outros exemplos de atividades que continuam são aquelas financiadas por taxas de usuários permanentes que não estão sujeitas a apropriações, como serviços de imigração financiados por taxas de visto.

Embora muitos programas sejam isentos, o público ainda provavelmente sentirá o impacto de uma paralisação de várias maneiras. Por exemplo, em um desligamento total:

  • Segurança Social e Medicare: Os cheques são enviados, mas a verificação dos benefícios e a emissão do cartão cessam. Embora seja improvável que aconteça novamente, durante a paralisação de 1995-1996, mais de 10.000 requerentes do Medicare foram temporariamente recusados ​​todos os dias da paralisação.
  • Inspeção Ambiental e Alimentar: Em 2013, a Agência de Proteção Ambiental (EPA) suspendeu as inspeções de 1.200 locais diferentes que incluíam resíduos perigosos, água potável e instalações químicas, e a Food and Drug Administration (FDA) atrasou quase 900 inspeções. Durante a paralisação de 2018-2019, o FDA restaurou algumas inspeções de alimentos algumas semanas após o lapso de financiamento para produtos considerados de alto risco.
  • Parques nacionais: Durante a paralisação de 2013, o Serviço de Parques Nacionais afastou milhões de visitantes de mais de 400 parques, monumentos nacionais e outros locais. O Serviço Nacional de Parques estimou que a paralisação resultou em mais de US $ 500 milhões em gastos com visitantes perdidos em todo o país. Muitos parques permaneceram abertos durante a paralisação de 2018-2019, embora nenhum serviço ao visitante tenha sido fornecido e danos e acúmulo de lixo foram relatados em muitos locais em todo o país.
  • Viagem aérea: Durante a paralisação de 2018-2019, as viagens aéreas foram prejudicadas como resultado de controladores de tráfego aéreo e agentes da Administração de Segurança de Transporte (TSA) trabalhando sem remuneração. Os viajantes enfrentaram filas mais longas, pois alguns agentes da TSA não compareceram ao trabalho e os pontos de controle de segurança foram fechados, enquanto a ausência de 10 controladores de tráfego aéreo interrompeu temporariamente as viagens no Aeroporto LaGuardia e causou atrasos em vários aeroportos importantes.
  • Saúde e serviços humanos: O National Institutes of Health (NIH) seria impedido de admitir novos pacientes ou processar pedidos de subsídio. Em 2013, os estados foram forçados a gastar dinheiro para programas de concessão de fórmula, como Assistência Temporária para Famílias Carentes (TANF, às vezes descrito como “bem-estar em dinheiro”).
  • Internal Revenue Service (IRS): No caso de uma paralisação, o IRS não seria capaz de fornecer seu serviço normal de verificação de renda e números da Previdência Social. Em 2013, uma carteira de 1,2 milhão de solicitações atrasou hipotecas e outras aprovações de empréstimos e bilhões de dólares em restituições de impostos também foram atrasadas. Pelo menos 26.000 funcionários liberados do IRS foram chamados para trabalhar durante a paralisação de 2018-2019 em preparação para a temporada de impostos, mas 14.000 não compareceram ao trabalho sem remuneração.
  • Programa de assistência nutricional suplementar (SNAP): Embora o financiamento para o programa SNAP seja obrigatório, a capacidade de enviar benefícios de “vale-refeição” pode ser afetada por uma paralisação, uma vez que resoluções contínuas geralmente autorizam apenas o Departamento de Agricultura (USDA) a enviar benefícios por 30 dias após um o desligamento começa. Durante a paralisação de 2018-2019, o USDA pagou os benefícios do SNAP de fevereiro no início de 20 de janeiro, pouco antes do término da janela de 30 dias, mas não teria sido possível pagar os benefícios de março se a paralisação continuasse. Além disso, durante qualquer desligamento, as lojas não podem renovar suas licenças de cartão de Transferência Eletrônica de Benefícios (EBT), portanto, aquelas cujas licenças expiram não poderiam aceitar os benefícios SNAP durante um desligamento.

O governo está se preparando para uma paralisação?

O OMB mantém uma lista dos vários planos de contingência que as agências federais seguirão durante uma paralisação. A maioria foi atualizada nos últimos dois anos, mas alguns não foram atualizados desde uma ameaça de desligamento anterior no final de 2015.

Como os funcionários federais seriam afetados?

Uma paralisação total seria mais extensa do que a paralisação parcial iniciada em dezembro de 2018, quando o Congresso aprovou 5 dos 12 projetos de lei de apropriação. Uma paralisação total provavelmente seria semelhante às recentes em 2013 e no início de 2018, quando aproximadamente 850.000 dos 2,1 milhões de funcionários federais não postais foram dispensados. Em 2013, a maioria dos 350.000 funcionários civis do Departamento de Defesa foi chamada de volta ao trabalho em uma semana. Funcionários desobrigados não têm permissão para trabalhar e não recebem salários, mas têm garantia de pagamento atrasado devido à legislação aprovada em janeiro de 2019. Os empreiteiros federais historicamente não recebem salários atrasados.

No início da paralisação parcial de 2018-2019, estima-se que 380.000 funcionários foram dispensados, um número menor do que o normal, uma vez que grandes empregadores federais, como o Departamento de Assuntos de Veteranos e o Departamento de Defesa já foram financiados. Outros 420.000 funcionários relataram trabalhar, mas não receberam pagamento até o fim da paralisação. Com o fechamento de 2018-2019, departamentos e agências, como o IRS e o Departamento de Estado, chamaram de volta um número crescente de funcionários.

Como e por que os programas obrigatórios continuam durante um desligamento?

Enquanto os gastos discricionários devem ser apropriados anualmente, os gastos obrigatórios são autorizados por períodos plurianuais ou permanentes. Portanto, os gastos obrigatórios geralmente continuam durante uma paralisação. No entanto, alguns serviços associados a programas obrigatórios podem ser reduzidos se houver um componente discricionário para seu financiamento. Por exemplo, durante as paralisações de 1996 e de 2013, os cheques da Previdência Social continuaram a sair. No entanto, o pessoal que cuidava de novas inscrições e outros serviços, como mudança de endereço ou atendimento de pedidos de novos cartões da Previdência Social, foi inicialmente liberado em 1996. Em 2013, algumas atividades foram interrompidas, incluindo verificação de benefícios e fornecimento de cartões novos e de substituição, mas processando de aplicações de benefícios ou mudanças de endereço continuou. Durante a paralisação de 2018-2019, o Departamento de Agricultura teve que contar com uma autoridade especial incluída no CR anterior para permitir que eles continuassem a emitir benefícios do SNAP.

Quantas vezes o governo fechou?

Desde que o Congresso introduziu o processo orçamentário moderno em 1976, houve 20 “lacunas de financiamento”, incluindo a paralisação de 2018-2019 e a de janeiro de 2018, quando os fundos não foram apropriados por pelo menos um dia. (O lapso de horas nas dotações em fevereiro de 2018, embora às vezes caracterizado como uma paralisação, não resultou em dispensas de funcionários federais.) No entanto, antes de 1980, o governo não encerrou, mas continuou as operações normais por meio de seis lacunas de financiamento. Desde 1981, ocorreram dez lacunas de financiamento de três dias ou menos, principalmente em um fim de semana, quando as operações do governo foram minimamente afetadas.

Já ocorreram quatro paralisações “verdadeiras” nas quais as operações foram afetadas por mais de um dia útil. The first two happened in the winter of 1995-1996 when President Bill Clinton and the Republican Congress were unable to agree on spending levels and the government shut down twice, for a total of 26 days. The third was in 2013 when a House and Senate standoff over funding for the Affordable Care Act (ACA) resulted in a 16-day shutdown. The fourth shutdown, starting in December 2018 and continuing into January 2019, centered on a dispute over border wall funding and was the longest-lasting shutdown at 35 days.

Does a government shutdown save money?

While estimates vary widely, evidence suggests that shutdowns tend to cost, not save, money for a number of reasons. For one, putting contingency plans in place has a real cost. In addition, many user fees and other charges are not collected during a shutdown, and federal contractors sometimes include premiums in their bids to account for uncertainty in being paid. While many federal employees are forced to be idle during a shutdown, they have historically received and are now guaranteed back pay, negating much of those potential savings. OMB official estimates of the 2013 government shutdown found that $2.5 billion of pay and benefits was paid to furloughed employees for hours not worked during the shutdown, as well as roughly $10 million of penalty interest payments and lost fee collections.

Shutdowns also carry a cost to the economy. The Congressional Budget Office (CBO) estimated that the 2018-2019 shutdown reduced Gross Domestic Product (GDP) by a total of $11 billion, including $3 billion that will never be recovered. On top of that effect, CBO notes that longer shutdowns negatively affect private-sector investment and hiring decisions as businesses cannot obtain federal permits and certifications, or access federal loans. A 2019 Senate report found that the three government shutdowns in 2013, 2018, and 2019 cost taxpayers nearly $4 billion.

How can Congress avoid a shutdown?

There are essentially two ways to avoid a government shutdown – by passing appropriations or a continuing resolution (see question on “What is a Continuing Resolution?”). Theoretically, the House and Senate Appropriations committees are supposed to pass 12 different appropriations bills that are broken up by subject area and based on funding levels allocated in a budget resolution. Often, these bills are combined into larger “omnibus” or “minibus” legislation.

To avoid a shutdown, Congress would need to pass all 12 appropriations bills through both chambers and get them signed by the President before October 1. This could be done by enacting each bill individually or by packaging them together through an omnibus or minibus. Congress is likely to soon consider a continuing resolution that would extend current funding levels for a specified amount of time into FY 2021. For more about the status of specific appropriations bills, see Appropriations Watch: FY 2021.

What is a Continuing Resolution (CR)?

A continuing resolution temporarily funds the government in the absence of full appropriations bills, often by continuing funding levels from the prior year. Traditionally, CRs have been used to give lawmakers a short period of time to complete their work on remaining appropriations bills while keeping the government open. CRs sometimes apply to only a few categories of spending, but they can also be used to fund all discretionary functions and can be used for an entire year.

CRs differ from normal appropriations bills in that they often “continue” funding allocations from previous bills at the prior year’s rate or through a formula based on the prior year’s rate. Even when overall funding levels have differed, lawmakers have often simply scaled up all accounts by a percent change in spending rather than making individual decisions on spending accounts. However, CRs often do include certain “anomalies,” where specific items are increased or decreased to work around some problems that would occur from continuing the previous year’s policies, or “policy riders,” where certain funding restrictions are specified in order to dictate policy. Colloquially, a “clean CR” does not contain policy riders or politically motivated changes to funding levels.

How often does Congress pass CRs?

Congress frequently passes CRs when lawmakers are unable to agree on appropriations before a deadline, and occasionally multiple CRs are necessary to fund the government for an entire fiscal year. Congress also sometimes relies on CRs during presidential transition years. In FY 2001, for example, a series of intense congressional negotiations leading up to the 2000 election led to a series of 10 one-day CRs. In total, Congress funded the first three months of that fiscal year with 21 continuing resolutions.

Not surprisingly, CRs have been quite prevalent recently and were used to fund the government entirely in FY 2011, when eight CRs were passed, and in FY 2013, when two CRs were passed. In fiscal years 2012, 2014, 2015, 2016, and 2020, CRs were used to fund the government for roughly a quarter of each year. FY 2017 funding negotiations necessitated three CRs before the passage of an omnibus appropriations bill in May 2017, and FY 2018 negotiations required five CRs before the passage of an omnibus in March 2018. In FY 2019, a CR was used for seven of the 12 appropriations bills for more than one-third of the year before the enactment of an omnibus in February 2019, while the remaining five appropriations bills were funded before the fiscal year began. The most recent year when a full-year appropriations bill passed before the fiscal year began and no CRs were necessary was FY 1997.

What are the disadvantages of using CRs?

Continuing resolutions have several negative implications for the budget’s overall efficiency. CRs usually continue funding at the past year’s level without any regard for changing policy needs or the value of each program within an agency. Using a continuing resolution wastes hundreds of hours of careful consideration and program evaluation incorporated into each agency’s budget submission. For instance, the President’s annual budget proposes a list of eliminations and reductions of programs that are duplicative or ineffective a continuing resolution will continue to fund these unwanted programs. Finally, the use of continuing resolutions disrupts activities within agencies, makes it difficult to plan or start future projects, and costs staff time to revise work plans every time the budget changes.

How is Congress addressing funding?

Although Congress has not yet enacted any appropriations bills, the House has passed 10 out of 12 appropriations bills. The Senate has not yet taken any action on appropriations for FY 2021. The House and Senate would have to agree on and pass the same versions of the bills before they are presented to the President for his signature. Congress is expected to consider a continuing resolution that would extend funding, largely at current levels, to allow more time to complete appropriations. For more about the status of specific appropriations bills, see Appropriations Watch: FY 2021.

How does a shutdown differ from a default?

In a shutdown, the federal government temporarily stops paying employees and contractors who perform government services, whereas in a default the list of parties not paid is much broader. In a default, the government exceeds the statutory debt limit and is unable to pay some of its creditors (or other obligations). Without enough money to pay its bills, all of the federal government’s payments are at risk — including all government spending, mandatory payments, interest on our debts, and payments to U.S. bondholders. While a government shutdown would be disruptive, a government default could be disastrous. For more on a default, see our Q&A: Everything You Should Know About the Debt Ceiling.)

How does a shutdown differ from “sequestration” or “sequester”?

A government shutdown closes down non-essential government operations due to a lack of funding, whereas a sequester or sequestration is shorthand for the reductions in discretionary spending caps in place that constrain the total amount of funding for annually appropriated programs.

The first example of sequestration was included in the Gramm–Rudman–Hollings Balanced Budget and Emergency Deficit Control Act of 1985. The most recent version of sequestration, a product of the Budget Control Act (BCA) of 2011, resolved the 2011 debt ceiling negotiations. The BCA created a Joint Select Committee on Deficit Reduction (the “Super Committee”) to identify at least $1.5 trillion of deficit reduction over 10 years, and set in motion the sequester if it did not identify at least $1.2 trillion. The failure of the Super Committee triggered sequestration, causing discretionary spending caps to be automatically lowered for both defense and non-defense. Congress has never allowed the full sequester to take effect, passing partial sequester relief in 2013 and 2015, and more than fully reversing the sequester in 2018 and 2019. If appropriations bills violate the increased spending caps, then across-the-board cuts will be triggered.


Responsibilities of the EPA

The EPA sets and enforces tolerable limits of pollution, and it establishes timetables to bring polluters into line with standards, an important aspect of its work since most of these requirements are recent and industries must be given reasonable time, often several years, to conform to new standards. The EPA also has the authority to coordinate and support the research and anti-pollution efforts of state and local governments, private and public groups, and educational institutions. Furthermore, regional EPA offices have the power to develop, propose, and implement approved regional programs for comprehensive environmental protection. While the EPA delegates some responsibilities such as monitoring and enforcement to state governments, it retains the authority to enforce policies through fines, sanctions, and other measures granted by the federal government.


Attendance even at an event for which no fee is charged to any attendee can implicate gift policies. To determine the effective value of the event, employees should add the value of any food, beverages, entertainment, or other tangible benefits offered to attendees, but do not need to consider the cost incurred by the sponsor for the venue where the event is held. Employees who are considering attending such an event are encouraged to seek advice from their agency ethics office. See OGE Legal Advisory 15-05 at www.oge.gov.

While employees may not accept gifts from prohibited sources or gifts given because of their official positions, there are exceptions, for example where individual items are valued at less than $20 per occasion and a total of $50 from one source in a calendar year.

Gifts must be reported when the total value of all such gifts from one source exceeds $415 in a calendar year individual gifts worth less than $166 do not count toward that threshold. Filers are required to identify the source of the gift, the value of the gift, and a brief description of the gift – excluding items such as food and beverages which are not consumed in connection with overnight lodging. (Note: Separate rules apply to gifts and various types of awards from foreign sources see 41 CFR 102-42.)

For federal employees using someone else’s luxury accommodations (such as a skybox or private suite) when attending an activity such as a concert or sporting event, the guidance states that when reporting the value of such entertainment, employees should add the market value of the most expensive publicly available ticket to the event to the market value of the food, parking and other tangible benefits provided in connection with the gift of attendance. Each tangible benefit included in the gift of free admission is not a separate gift that may be excluded from the filer’s report based on its individual market value.


Assista o vídeo: Legieć o przejęciu władzy przez talibów (Agosto 2022).